As crónicas do Lynx

Uma colecção de pequenas crónicas dedicadas a uma grande paixão de sempre: Viver essa maravilhosa aventura que é o dia-a-dia!

domingo, junho 17, 2018

Mrginal à noite

Ou como aproveitar a frescura da noite quente a anunciar o Verão. Soube bem.

sexta-feira, maio 18, 2018

Correr em Lisboa

Raramente corro em Lisboa. O facto de não viver realmente na cidade (mas a 25ks de distância) faz com que uma corrida envolva uma deslocação, que tenderá a ser propositada. Mas a cidade vale realmente a pena - e, por isso, investi tempo num pequeno projeto.

Estacionei o carro no Bairro de Alvalade, apanhei o metro para o Rossio e, aproveitando a manhã fresca e semi-deserta de Sábado (um privilégio, não ter ainda Lisboa tomada por turistas), acelerei por um percurso claramente citadino e muito turístico. Rossio, Rua Augusta, Terreiro do Paço (ocupado pelo Festival da Eurovisão), Ribeira das Naus, Cais do Sodré, Bairro Alto, Principe Real, Praça da Alegria, Avenida da Liberdade, Parque Eduardo VII, Avenidas Novas, Avenida da República e Avenida da Igreja até Alvalade. Um percurso fabuloso, 10Ks bem vividos pela cidade e uma certeza - é quase sempre a subir! Mas que bem sabe correr por uma Lisboa de relevo vivo e não por uma cidade qualquer plana e chata! Foi bom e é para repetir!

sexta-feira, maio 11, 2018

Eco Maratona Lisboa 2018 - 21ks

A Eco Maratona de Lisboa. A prova que eu esperava neste meu regresso. Uma prova de trail com partida do centro de Lisboa (Parque Eduardo VII) e que embrenhava pelo meio do Parque Florestal de Monsanto, as suas subidas e descidas de terra, antes de voltar ao local de partida. Um percurso duro e exigente para corredores de cidade como eu.
Por isso, inscrevi-me na meia maratona e não na maratona completa. 21Ks já seriam suficientes num dia que se adivinhava quente (aliás, o mais quente até agora). Mas estava cheio de vontade de voltar a correr na floresta e, como sempre, Monsanto não desiludiu.

Não sei se muitos lisboetas conseguem perceber a maravilha que é ter uma floresta dentro da cidade. Uma floresta segura, bem cuidada, com bons acessos e infra-estruturas. É um local de descontracção e diversão privilegiado. E óptimo para uma corrida de trail.

Apesar do calor (e obrigado a todos os postos de abastecimento e todas as árvores que me proporcionaram sombra durante o percurso), adorei - como já tinha adorado quando fiz esta prova, em versão meio diurna meio noturna, há uns anos atrás. Foram 21ks, 2h23m59s de corrida (com alguma caminhada rápida em subidas mais acentuadas), 430m de desnível, e muita diversão. Para o ano, Monsanto pode contar comigo!

domingo, abril 22, 2018

Corrida Terry Fox 2018 - Lisboa

E, depois de vários anos de interregno, por ter estado a trabalhar fora de Portugal, voltei a fazer uma das minhas corridas preferidas - a Terry Fox. 

O percurso é giro (pelo Parque das Nações, sempre bom), mas a corrida é inesquecível pelo seu significado. Terry Fox foi um atleta canadiano, que teve um cancro ósseo, e que, amputado de uma perna, embarcou numa fabulosa travessia do Canadá, a correr, em 1980. Nunca chegou ao fim - a doença agravou-se durante a corrida e ele teve que desistir, vindo a falecer uns meses mais tarde. Mas essa corrida, a que chamou "Maratona da Esperança", contribuiu para a consciencialização da sociedade canadiana sobre o cancro, e traduziu-se numa torrente importante de fundos para a pesquisa para o tratamento da doença. Levou também à organização de corridas de homenagem e de angariação de fundos para a investigação sobre o cancro por todo o Mundo.

Ontem, participei na 23a Corrida Terry Fox de Lisboa. Obrigado.

terça-feira, abril 17, 2018

Compras de bicicleta?

Depois de quase cinco anos na Holanda, alguma coisa teria que ficar. Um foco absoluto na bicicleta foi um deles.

Por isso, ontem, resolvi ir de bicicleta fazer umas compras de mercearia ligeira de uns artigos que não existem no supermercado do outro lado da rua. A distância - curta, uns meros 2.7ks. Mas, acreditem, sem a protecção das ciclovias holandesas, o passeio curto foi bem mais stressante do que esperava, sobretudo por ter sido em hora de ponta. Há algumas lições a tirar de ontem...

quinta-feira, março 29, 2018

Correr em Arraiolos

Vamos ser sinceros. O primeiro quilómetro desta volta por Arraiolos deixou-me a suspirar pela Holanda. Ou melhor, a ofegar. Nesse primeiro quilómetro, a inclinação média foi de cerca de 8%, o que foi óptimo para abrir a pestana num Sábado de manhã!

A verdade é que a bonita Arraiolos é muito diferente da Holanda. Mais íngreme, mais fechada, as ruas estreitas e tortuosas, de empedrado, foram um óptimo terreno de treino para alguém que definitivamente quer deixar para trás a planura dos Países Baixos. E se o primeiro quilómetro foi uma boa forma de o recordar, a subida (a última) até ao castelo foi um excelente apontamento final - só superado pela descida contínua e rápida do castelo até à pousada - aí, a respiração já não estava tão intensa...

terça-feira, março 13, 2018

Não aconteceu, mas podia ter acontecido

  • Bom dia, rapaz. O que é que está aqui a fazer?
  • Rapaz? Obrigado senhor bombeiro, mas sabe há quanto tempo é que não me chamam isso? Não reparou na pança e nos cabelos brancos?
  • Desculpe. É que sou um pouco miope. Mas reparei que tem o pelo malhado e grandes bigodes. E orelhas pontiagudas. O senhor é um extra-terrestre.
  • Mais ou menos. Não vale muito a pena falarmos sobre isso. Digamos que estou em vias de extinção. Mas já estive pior...
  • Ainda bem. Folgo em saber. E então... o que é que está a fazer aqui?
  • A passear?
  • À frente do quartel dos bombeiros? Para trás e para a frente?
  • É um lugar aprazível. Há árvores, carros, prédios, asfalto. Está-se bem aqui.
  • A sério?
  • Sim.
  • Mesmo? Acha mesmo que essas tangas colam?
  • Não há mal nenhum em tentar.
  • Pois, eu acho é que o senhor é outro desses geocachers que andam por aí.
  • Já fui. Mas estou enferrujado. A tentar retomar a actividade, sabe?
  • Pois, é difícil, não é?
  • Estou enferrujado, é só isso. E nem estava a contar fazer isto agora. Mas apareceu a oportunidade agora, antes de uma reunião, e olhe... Arejei um pouquinho!
  • Bom, esteja lá à vontade, e tenha sorte em encontrar a miúda. Só não fique aqui à frente do portão se ouvir a sirene. Um dos nossos carros pode passá-lo assim a ferro...
  • Estilo desenho animado?
  • Pior. E depois lá fica outra vez a sua espécie em vias de extinção.
  • Pois. Não queremos isso. Obrigado! Olhe, por acaso não tem um lápis do Ikea que me possa emprestar?
  • Um lápis do Ikea?
  • É que se tiver sorte posso precisar dele. E esqueci-me (lá está não estava a contar vir aqui). Bom, deixe estar. Obrigado e boa tarde!
  • Boa tarde!